RESUMO DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 01 DE JULHO DE 2019

por Assessoria CMI publicado 30/06/2019 23h00, última modificação 12/07/2019 09h21

Na sessão do dia 01 de julho de 2019, o tempo da tribuna cidadã foi utilizado pelo senhor Handson Nelson, que fez uma apresentação sobre a Cooperativa SICOOB, empresa que está há 17 anos no mercado de cooperativismo de crédito. Handson lembrou que a primeira reunião realizada em Itacoatiara, aconteceu em outubro de 2018, com a finalidade de fazer prospecções de negócios, visando a implantação de um ponto de atendimento em nossa cidade. O que acabou se tornando realidade, pois há três meses, a SICOOB já está em Itacoatiara.
Ele disse que a empresa tem cerca de 20 mil cooperados e 348 milhões de capital e atualmente é a quinta maior rede de atendimento do Brasil, seguindo todas as normativas e regulamentações do Banco Central. Foi apresentado um vídeo contando a história da SICOOB e as vantagens das taxas de juros praticados, que são bem abaixo do valor cobrado pelos bancos convencionais.
Handson pediu apoio dos vereadores, porque a SICOOB está pleiteando junto à Prefeitura de Itacoatiara, credenciamento para receber o pagamento de tributos municipais como conta de água e cobrança de ISS.

 

- O vereador Bosco Rodrigues parabenizou a SICOOB pela implantação de um ponto de atendimento em Itacoatiara e por estar buscando expandir seus atendimentos.
Ele abordou sobre a reunião que aconteceu na Hermasa, durante a manhã desse dia 01 de julho, onde foi tratado sobre a possibilidade de a empresa vender insumos como a casquinha da soja e ração, para os produtores locais. Destacou que há a boa vontade da equipe local, em dar andamento ao pleito apresentado, que a empresa tem alguns protocolos que precisam ser cumpridos.
Bosco agradeceu ao deputado Sinésio Campos por abraçar as causas do município de Itacoatiara e que ele foi decisivo para que viesse boa parte do Staff do Setor Primário do Estado e do diretor da Federação da Agricultura, para essa reunião.
Bosco falou também sobre o encontro que teve na Vila de Lindóia, com os produtores que pretendem cultivar o café conilon naquela região, a exemplo do que já está sendo feito no município de Silves.

 

- O vereador Francisco Rosquilde revelou que sua assessoria está fazendo um levantamento de dados, a fim de mostrar o número de pessoas de Itacoatiara, que precisam do tratamento de hemodiálise, que por esse motivo, se obrigam a viajar, todas as semanas, para Manaus, a fim de fazer esse procedimento. Ele disse não entender, por que ainda não temos esse equipamento aqui em nossa cidade. Pois seria de muita serventia ao povo. Por isso, ele pretende fazer uma campanha, junto com o vereador Marcos Rodrigues, para buscar apoio junto aos empresários locais, a fim de comprar um aparelho de hemodiálise para doar ao hospital. Disse que gostaria de contar com a ajuda dos demais vereadores.
Rosquilde destacou que é desesperador para as famílias e sobretudo para os pacientes, terem que se deslocar, até três vezes por semana, para Manaus, a fim de realizarem a hemodiálise, ainda mais com a estrada nas péssimas condições. Ele disse que é preciso ajudar essas pessoas a terem esperança.

 

- A vereadora Cheila Moreira falou sobre a visita técnica feita à empresa Hermasa para tratar sobre o assunto da venda de insumos da soja, para os produtores locais. Ele destacou que está orgulhosa do Parlamento Municipal, porque está sempre buscando a solução dos problemas do povo.
Cheila agradeceu a forma cordial como foram recebidos pela equipe local da empresa, que demonstrou boa vontade para encaminhar as demandas, para a diretoria geral. Entretanto, ela destaca que é muito pouco o retorno, em benefícios, que a Hermasa oferece a população de Itacoatiara.
Sobre a proposta do seu colega Francisco Rosquilde, Cheila disse que ainda continua com a opinião que isso é de responsabilidade do Estado, enquanto poder público, para resolver os problemas da população, como a compra de um equipamento para fazer hemodiálise em Itacoatiara. “Como é que eu posso fazer aquilo que é dever do Estado? “, questionou Cheila.

 

- O vereador A. I. Netto destacou que também se sente orgulhoso do Parlamento Itacoatiarense, porque tem buscado a solução para os problemas do povo, que para isso, a Câmara debate de igual para igual, com quem quer que seja.
Falou sobre o encontro na empresa Hermasa, disse que entende os protocolos e normas que são precisos cumprir, que são regras e não vê problema nenhum nisso. Entretanto, ele frisou que a empesa não está dando nenhuma contrapartida para o município, pelos benefícios que já recebeu. Netto lembrou dos programas que haviam no passado, como a Vaca Mecânica, que produzia o leite e o pão de soja, para doação a entidades locais. Frisou que a escola naval também não existe mais. Falou que hoje existem muitos projetos bonitos e maravilhosos, entretanto, são apenas projetos, que ainda precisam ser efetivados.
Netto sugeriu que a Hermasa possa construir e manter uma creche, a fim de servir à comunidade. Além disso, adaptar seus procedimentos para poder vender insumos da soja aos produtores locais, assim como já é feito para o Estado de Roraima. Ele destacou que todas essas discussões estão sendo provocadas pela Câmara de Vereadores. E aproveitou para agradecer ao deputado Sinésio Campos por abraçar as causas de Itacoatiara.
Sobre a compra do aparelho para hemodiálise, foi taxativo e disse que não concorda que seja passado para a iniciativa privada, aquilo que é de responsabilidade do Estado ou do Município, que é preciso rever os orçamentos, que essa é uma obrigação do poder público.

 

- O vereador Ney Nobre relatou que esteve na região do Rio Arari, no último final de semana, representando a Câmara de Vereadores, acompanhando a comitiva do prefeito Peixoto, na entrega de equipamentos agrícolas, como casas de farinha, para os produtores rurais.
Destacou que não foram apenas entregar os equipamentos, mas, também ouvir as demandas da população, quanto ao setor primário.
Ney ressaltou que uma das dificuldades é a falta de regularização das associações, que não têm CNPJ e outros requisitos para terem acesso a programas e financiamentos e também para poderem negociar seus produtos com empresas, entidades ou órgãos governamentais.
Ele disse que o poder público precisa orientar e ajudar na organização das comunidades, a fim de fazer as coisas diferentes, da forma correta.
Falou que vai propor a realização de audiências públicas para tratar desses assuntos.

 

- O vereador Joanilson Mendes destacou que seu posicionamento a respeito da compra do equipamento para realizar hemodiálise. Ele disse que não se pode tirar a responsabilidade de quem tem e passar para quem não tem, ou seja, pedir dos empresários aquilo que é da responsabilidade do poder público. Joanilson disse que não estamos em estado de calamidade para isso, que tanto o Estado quanto o Município, precisam assumir suas responsabilidades.
O vereador abordou também sobre a necessidade de a Câmara visitar as escolas da Zona Rural, que tiveram suas áreas atingidas pela enchente, por isso, precisarão de reformas e até de reconstrução. Ele ressaltou que são 113 escolas, por isso é difícil a manutenção, apesar da boa vontade do Secretário.
Mesmo assim, Joanilson disse que é importante que a Câmara faça sua parte na fiscalização, pois há a demanda da população cobrando melhorias para as escolas e é preciso saber qual o planejamento da SEMED para essas cobranças, além da merenda escolar que não pode falta, porque, todos os meses vem verba específica para isso.
Sobre as casas de farinhas entregues no último final de semana, ele disse que é necessário um acompanhamento do poder público, a fim de dar as condições de instalação desses equipamentos, caso contrário, não cumprirão os objetivos para os quais foram doados.

 

- O vereador Bernardo Santiago disse que, na sua opinião, a maioria das ONGS são as responsáveis pelo atraso na agricultura, porque, muitas fazem projetos de preservação, de sequestro de carbono e outros. Colocando normas para o homem do interior que não pode mais trabalhar. Que não pode fazer carvão e nem sequer tirar a madeira para fazer sua casa. Resultado disso, segundo o Vereador, é que o povo vem para a cidade onde não encontra emprego, aí se envolve na criminalidade ou na prostituição.